terça-feira, 5 de junho de 2018

#4 - Amor Electro

Hoje, em vez de vos trazer a Música da Semana, decidi mostrar-vos o novo álbum dos Amor Electro. Vou tentar mostrar-vos as músicas, mas nem todas estão disponíveis no Youtube. Se tiverem curiosidade podem ouvi-las no Spotify ou então, claro, comprar o disco. 

Gostava imenso de fazer isto mais vezes, tenho que andar mais atenta aos lançamentos de álbuns!

Bem, para começar, esta é a capa do álbum:



Para os menos entendidos, a imagem da capa é uma fotografia da vocalista, Marisa Liz. Os Amor Electro disseram numa entrevista que, apesar deste ser o seu terceiro álbum, decidiram chamar-lhe #4 porque consideram que o terceiro álbum costuma ser de consagração e dizem não estar preparados para tal.

Depois das explicações da parte mais exterior do álbum, passemos ao que mais interessa, as músicas.

1. Procura Por Mim



Este é um dos singles do disco, que são quatro,tendo sido o terceiro a ser lançado. Este tema foi composto por Mauro Ramos (letra) e Tiago Pais Dias (música).

Eu adoro esta música, acho que é, como a maioria das músicas dos Amor Electro, passível de ser interpretada de diversas maneiras. Na minha opinião, aí reside grande parte da beleza do tema. Além disso, gostei muito do facto de uma das frases mais repetidas nesta música ser "A máquina não pára", tornando-se quase um crossover de um dos singles mais conhecidos da banda, A Máquina.

2. Miúda do Café



Este foi o último single do álbum a ser lançado, tendo passado a single até depois do disco ser lançado. A música foi composta por Tiago Pais Dias, e a letra escrita por Mauro Ramos e Marisa Liz.

Eu vejo este tema como uma descrição de um playboy em versão feminina (não encontro a palavra certa). Parece-me uma música que não está tão carregada de sentimento, como outras dos Amor Electro, e fez-me lembrar a música Cinegirassol, dos Azeitonas, por também contar uma história que não é propriamente uma história de amor.

3. Vai Dar Confusão


O tema "Vai Dar Confusão" foi composto por Tiago Pais Dias e escrito por Mauro Ramos e Marisa Liz.

A letra fala de amor, sim, mas de uma história com muitos altos e baixos. Em termos da música, é um pouco diferente do que aquilo que este conjunto costuma fazer, mas mesmo assim agrada-me bastante.

4. Sei



Este foi o segundo single do álbum a ser lançado. Foi composto por Tiago Pais Dias e escrito por Marisa Liz e Miguel Pité. 

Inicialmente não gostava muito desta música, mas depois de a ouvir mais algumas vezes, percebi realmente a mensagem da música, e apesar de não me dizer muito, achei que era uma mensagem com sentido, ou seja, que outras pessoas se identificariam. Digo isto no sentido em que há muitas músicas em que a mensagem está praticamente ausente, o que acontece aqui.

Nesta música temos a participação de Miguel Pité, que traz um estilo diferente, mas que acaba por encaixar muito bem no tema e enriquecer a música e até o próprio álbum.

5. De Candeias às Avessas

Este tema foi composto por Marisa Liz e Tiago Pias Dias e escrito por Jorge Cruz.

Esta música, um pouco como a Vai Dar Confusão, fala de uma história de amor com altos e baixos, embora neste caso pareça mais difícil de se concretizar. Gostei muito do facto de ter sido utilizada uma expressão popular portuguesa, que parece quase impossível de ser alguma vez cantada, mas pelos vistos não é😉

6. Juntos Somos Mais Fortes




Este single foi o primeiro a ser lançado, mas na altura não era este o seu nome e tinha sido criado para ser uma música de Natal. Sem grande surpresa, foi composto por Tiago Pais Dias e escrito por Marisa Liz.

Na minha opinião, é um grande hino à união e à força e à família, seja ela de sangue ou não.

7. Canção de Embalar




Esta música é um original de Zeca Afonso interpretado pelos Amor Electro. É uma música muito bonita e a interpretação faria Zeca Afonso ficar orgulhoso.

8. A Barca

Este foi o tema escolhido pelos Amor Electro para integrar o disco, de entre todas as propostas enviadas pelos fãs. Foi escrito por Hugo Sá e  a música composta por Tiago Pais Dias e Mauro Ramos.

A letra fala de alguém que faz uma reflexão sobre a sua vida difícil, mas no final revela-se uma vontade de mudança, de procura de um tempo melhor.

9. Alternativa


Esta música foi composta por Tiago Pais Dias e a letra é de Mauro Ramos. A música parece-me mais uma vez ser distinta do que estamos habituados, mas tendo em conta as outras músicas que compõem o disco, está muito bem enquadrada

O tema tem como mote a mudança e a ambição (no sentido positivo) e que nos mostra que podemos fazer sempre mais qualquer coisa por nós e pelos outros.

10. Destempo

Destempo é um tema escrito por Mauro Ramos e composto por Tiago Pais Dias. Gosto muito desta música, visto que o ritmo foi muito bem conjugado com a letra, fazendo a música acelerar ou abrandar nos momentos certos.

Além disso, a letra em si é bastante original, no sentido em que não são escritas frases completas, algo que raramente acontece em Amor Electro.

11. O Nosso Amor é Uma Canção

O Nosso Amor é Uma Canção foi escrito por Marisa Liz e Fernando torso e composto por Tiago Pais Dias e Marisa Liz.

É uma canção de amor muito bonita, uma jura de amor eterno á pessoa amada, mas também à música. Acho-a muito bonita e simples, sem grandes exageros.


Uma coisa em que reparei depois de escrever esta análise do álbum é que as cores deste disco são o amarelo e o cor de laranja, cores quentes, enquanto que as do anterior eram cores mais frias (em termos do design), o que, para mim, se explica pelo facto de este álbum ser mais intimista e mais positivo, no sentido em que a maioria das músicas do (R)Evolução eram, como o nome  do disco indica, mais "acesas", de revolta.

Esta é a análise que eu faço do #4, mas gostava muito de ler outras opiniões. Aventurem-se nos comentários!

Maggy

quinta-feira, 31 de maio de 2018

O Andar Invisível, de Robson Machado

Olá, gente linda! Então aqui estou eu para vos falar do livro que li este mês, em parceria com a Chiado Editora!

O livro chama-se O Andar Invisível e é da autoria do escritor brasileiro Robson Machado.

Angélica é uma senhora de classe alta, dona de um grande hotel, o Hotel Politeia. Aquando da construção do hotel, Angélica pediu ao marido, que faleceu antes da inauguração do mesmo, para desenhar o projeto de um andar oculto, sem quaisquer janelas, dentro do hotel, que apenas era acessível a partir do apartamento do casal.

Assim nasceu o Andar Invisível, onde os amigos de Angélica e do marido iam para realizar atos reprováveis sem serem vistos.

Muitos acordos aqui foram selados, aconteceram outros tantos encontros... Mas algo corre mal. A partir daqui terão de ler o livro para descobrir!


Quanto à minha opinião, eu gostei muito de ler este livro, está bem escrito, tem uma história muito cativante e o facto de o autor ser brasileiro poderia ter dificultado a leitura, mas isso não se verificou. Penso que este é o primeiro romance do autor, mas fiquei curiosa para ler mais!

Maggy


domingo, 27 de maio de 2018

Vestidos para o Baile de Finalistas

Bem vindos, caros seguidores, a mais um post no nosso querido blog! 
O post de hoje vai ser dedicado às meninas finalistas que estão à procura de um vestido de princesa para essa noite tão especial.

A primeira opção que vos trago é um vestido à princesa, com decote em coração.



De seguida trata-se de um vestido de duas peças. Está cada vez mais na moda e é uma opção bastante válida para quem queira optar por uma coisa menos tradicional.


Como terceira opção temos o vestido de sereia. Para quem procura algo que acentue as curvas e seja um pouco atrevido esta é a peça ideal! Os rapazes vão ficar de queixo caído ;)


Para aquelas meninas mais tímidas que querem algo elegante mas sem muito aparato a próxima opção é perfeita!


Last but not least! Em último lugar temos um vestido comprido, elegante, com uma abertura na perna.


Resta então apresentar algumas opções de lugares de compra. Primeiro temos de decidir se vamos comprar online, porém é preciso ter cuidado com estas compras, nem sempre vem o que pedimos ou no número que pedimos, ou se vamos comprar numa loja física.
Sendo que mandar fazer um vestido também pode ser uma opção. Desta maneira podem pedir um com todos os detalhes que querem. 

As opções para lojas físicas são:

Pretty Bunnies - Dolce Vita Tejo
Boutique Luísa de Sá - Colombo
El Corte Ingles
Mango
Zara
E os centros comerciais Colombo, Dolce Vita Tejo e Strada


Espero que este post vos tenha ajudado e que possa tornar a vossa procura muito mais fácil! 

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Música da Semana

Esta música saio à pouco tempo e têm sido umas das minhas preferidas nos últimos dias, chama-se  Procura por Mim e é dos Amor Electro.

sábado, 19 de maio de 2018

Aos Olhos da Princesa #7 Parte 1

Olá, pessoal! Aqui estou eu para finalmente vos mostrar a minha viagem a Budapeste! Já viram várias fotografias no Instagram do blog, mas faltava o post. Como eu não gosto de vos falhar, aqui está ele! A cidade tem tanta coisa para ver que vou ter que fazer dois posts!

Bem, para começar, Budapeste é a capital da Hungria e está dividida em duas partes, Buda e Peste. Esta divisão é feita pelo rio Danúbio. Eu estava alojada num apartamento em Peste, mas tive oportunidade de visitar os dois lados.

Buda é considerada a parte mais rica da cidade,com as maiores casas, e Peste a parte menos luxuosa, onde se fazem os negócios. A moeda húngara é o Florim (HUF).

Existem três pontes a ligar Buda e Peste: A Ponte Elisabeth, a Ponte das Correntes e a Ponte da Independência.


A fotografia não lhe faz justiça, mas esta é a  Ponte Elisabeth. Foi reconstruída num estilo mais moderno depois de ter sido bombardeada na Segunda Guerra Mundial.
Esta é a Ponte das Correntes, que os alemães deitaram abaixo durante a Segunda Guerra Mundial. É guardada por dois leões de pedra que não têm língua, e estão, por isso, impedidos de revelar segredos.

Só tenho fotografias da Ponte da Liberdade à noite... Foi mandada construir pelo imperador Francisco José,que terminou oficialmente a construção, e originalmente a ponte tinha o seu nome.




No Danúbio há também uma ilha que, traduzindo para Português (não me atrevo a escrevê-lo em húngaro, para não me enganar e não vos dificultar a vida) se chama Ilha Margarida, que é acessível de barco ou através da Ponte Margarida, mas os carros apenas podem circular na zona do hotel, porque a ilha é um parque, quase como um santuário da Natureza.



Esta é a estátua de São Geraldo, um padre que tentou converter a população pagã ao cristianismo. Foi assassinado e o seu corpo atirado ao Rio Danúbio dentro de um barril.



Este edifício é o Parlamento húngaro. É lindo por fora, mas infelizmente por dentro não o pudemos ver, já que só é visitável com visitas guiadas marcadas, e essas esgotam  muito depressa... Ou seja, se quiserem ir a Budapeste, o Parlamento é paragem obrigatória, mas comprem os bilhetes assim que puderem.

Uma pequena curiosidade: Na altura em que o Parlamento estava para ser construído, fez-se um concurso nacional para se escolher o projeto. O edifício atual é do projeto que ganhou o concurso, mas o segundo e o terceiro lugar também foram construídos em Budapeste, embora tenham ficado com outras funções.


Ainda tenho muitas coisas para vos mostrar, mas ficam para o próximo post, quero manter algum suspense, já que faltam alguns monumentos que são absolutamente espantosos (e não, não estou a exagerar!).

Maggy

Frase da Semana


"Quem deseja ver o arco-íris tem de aprender a gostar da chuva."

Paulo Coelho

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Dia da Liberdade

Não é novidade que a 25 de Abril se celebra o Dia da Liberdade, a Revolução dos Cravos,  ou como prefiram chamar-lhe. Estamos livres da ditadura há 44 anos.

Mas será que isso significa que já não temos que nos preocupar com a nossa liberdade? Não, pelo contrário, temos que lutar todos os dias para a manter. E como? Sendo politicamente ativos (quem tenha mais de 18 anos, obviamente), tendo consciência do que se passa ao nosso redor e agindo quando achamos que algo não está certo.



Antes da Revolução, vivíamos em ditadura e o problema dessa mesma ditadura era a falta de instrução de grande parte da população, que não conseguia entender que esse regime lhes trazia muitos problemas em termos de qualidade de vida.

Hoje em dia já é comum estudar-se pelo menos até ao 12º ano de escolaridade, pelo que temos a obrigação de não nos deixar cair num regime autoritário outra vez, como alguns que estão a querer despontar na Europa. 

Que este dia seja uma forma de nos lembrar-mos do quão difícil foi conquistar a  nossa liberdade e o quão valiosa ela é.


Maggy

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Ser Blogger

Este parece, à partida, ser mais um daqueles posts em que se fala super bem da blogosfera e daquilo que se ganhou e aprendeu, mas neste caso não é.

Não vou ser hipócrita e dizer que ser blogger é horrível, não, mas devo admitir que desde que este blog começou, há perto de três anos, a minha intenção não era exatamente ter um blog a tempo inteiro, com rubricas fixas, mas sim ir escrevendo aquilo que me apetecesse, contudo a competitividade que se instala neste meio fez com que se fossem aqui criando algumas obrigações para com os leitores, para trazer sempre mais conteúdo, o que eu às vezes receio que tenho desvirtuado este nosso cantinho.

Dou por mim a escrever cada vez menos textos de escrita livre, em que apenas precisava de uns minutos ao computador e o meu querido silêncio ou uma música de fundo e tinha um post escrito. Isso acontece porque muitas vezes esse tipo de posts não recebe tanto interesse por parte do público como outros que por vezes até dão menos trabalho (por não nos virem do coração e querermos que expressem exatamente o que sentimos, por exemplo).



Não tem que ser o interesse do público a mover-nos e sim a nossa paixão, é o que todos dizemos, mas é mais fácil dizer do que fazer, já que é muito bom para todos nós quando recebemos comentários positivos dos nossos leitores. Claro que num blog com dois mil seguidores fiéis é muito simples ter comentários positivos em todos os posts que se quiser publicar, porque o universo a que essas publicações chegam é muito maior, mas num blog relativamente pequeno como este, isso é complicado e leva-nos a alterar o nosso conteúdo.

Este post é, para além de um desabafo de uma blçogger descontente com o seu trabalho, um pedido de desculpas aos leitores mais fiéis que viram o blog sofrer tantas alterações. Ninguém me pediu que o escrevesse, mas eu sou uma pessoa bastante reflexiva e cheguei à conclusão que talvez fosse boa ideia fazê-lo, para manter a minha consciência limpa e tentar iniciar uma nova fase aqui no blog.

Maggy