sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A Todos Aqueles que me Viraram as Costas

A minha primeira mensagem é: Eu não fugi! Não, não gostei da forma como me trataram, mas não fugi, simplesmente decidi que era tempo de parar com aquela palhaçada toda, e sabia que quem estava a mais era eu, sempre soube.

Por isso é que me afastei, e fui bem recebida no meu novo "poiso", para vosso azar.

Outra coisa que tenho para dizer: Continuo de pé, mesmo depois das vossas tentativas para me derrubar, e agora mais forte que nunca, com amigos a meu lado, pessoas que não me julgam por aquilo que sou e que gostam de mim assim, mesmo com todos os defeitos.

Pode parecer ridículo, mas tenho a agradecer-vos o facto de terem moldado o meu caráter: tornei-me menos ingénua e mais compreensiva para com os outros, porque depois do que passei, eu sei qual é o poder das palavras.


As palavras facilmente são esquecidas por aqueles que as proferem, mas isso nunca acontecerá no caso daqueles que foram atingidos por elas. Por isso é que gosto tanto de escrever, porque posso apagar sempre que achar que não estou a transmitir a ideia certa. É terrível que isso não aconteça com as palavras, porque mesmo que se volte atrás com aquilo que se disse, é muito complicado pô-las para trás das costas.

Apesar de tudo o que ouvi e ainda hoje tenho em memória, sou mais forte e não deixo que me rebaixem. Pois é, é que só aprendemos se passarmos pelas situações, e eu aprendi que nem toda a gente é simpática e afável.