quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Escrever Direito por Linhas Tortas - Miúda gira sabe: gerir emoções - controlar situações

Cá estamos nós, todas jeitosas, a viver o nosso dia quando de repente… POW: a vida acontece. Não temos qualquer palavra a dizer sobre o que acontece, claro, mas podemos sempre influenciar o resultado com a resposta que damos.

A resposta que dás a cada situação é capaz de mudar o resultado:

para melhor ou… nem por isso.

Regra geral, educam-nos para conseguirmos acabar o curso, arranjar um bom emprego e tal… mas esquecem-se de nos capacitar para respondermos à vida… à medida dos acontecimentos. É que isto de andar no mundo, viver em Sociedade e, simplesmente, sair da casca, é uma espécie de montanha-russa perturbada e cheia de curvas e inlcinações acentuadas… como se o projecto tivesse sido feito por um polvo bêbedo.

É por isso mesmo que dedico as principais horas do meu dia de trabalho a ensinar a

gerir emoções!


Não existe uma receita única de “respostas certas”. Há alguns anos atrás diziam-nos que devíamos sorrir aqui, acenar ali… esqueçam! Gerir emoções implica que saibam MESMO o que precisam de fazer para estarem de acordo com a vossa individualidade. Acabou-se essa coisa de “sermos todas iguais”, “fazermos todas igual”.

Algumas regras básicas sobre emoções:


     Só tu sabes o que estás a sentir
     O teu sentimento está certo
     Só tu sabes o que precisas de fazer para responderes àquela emoção
     Tens em ti tudo o que precisas de te resolveres

Só tu sabes o que estás a sentir, porque tu és única.

Ninguém mais tem a mesma mistura de características, experiências e realidade envolvente. Mesmo quem tem uma irmã gémea tem experiências diferentes, quanto mais o resto do mundo.

As experiências são importantes porque são a nossa fonte de aprendizagem. Cada experiência que temos, significa que aprendemos pelo menos uma coisa nova. O engraçado é que: a mesma experiência vivida por pessoas diferentes, dá origem a aprendizagens distintas para cada uma delas. Porquê? Porque têm personalidades diferentes, porque já tiveram experiências diferentes (ou seja: já têm aprendizagens diferentes entre si).

Quer isto dizer que: ninguém te vai poder dizer se estás triste, feliz, receosa… Ninguém pode pôr-te um rótulo no sentimento e ter a certeza de acertar.

Outra coisa que deves saber é que

o teu sentimento está certo.

Se és a tal mistura única… como é que outra pessoa poderia dizer-te qual é o sentimento que deverias ter, face à situação em causa?

Quando alguém te disser “tu devias estar ____” lembra-te da regra número 1: só tu sabes o que estás a sentir e do seu corolário (também conhecida como regra nº 2: o que sentes está certo!!!).

Tu não tens que sentir ou deixar de sentir nada em especial: simplesmente sentes.


E, quando sentes, esquece! Também sabes o que precisas de fazer para recuperares o controlo da situação. A questão é que, por vezes, não estamos ainda preparadas para responder à emoção da forma mais adequada.

Qual é a forma mais adequada?


Simples: a forma que, tendo em conta o contexto, te permite retirar maior benefício da situação. Ou seja: pode apetecer-te rir, chorar, gritar ou pular (por exemplo).  Mas… será que o benefício que retiras dessas acções vai ser aquele que procuras?

Imagina que algo te irrita e tu já sabes que tens tendência a responder de forma impulsiva: será que as respostas que habitualmente dás são as mais indicadas tendo em conta o que queres retirar da situação?

É que, lá por não poderes controlar a situação não significa que não possas retirar dela benefícios ou, pelo menos, minimizar efeitos negativos. Por isso mesmo é que te ajuda controlares a tua reação (que é o mesmo que dizer: gerir a emoção).

Ao contrário do que muitas vezes pensamos,

controlar não significa conter.

Controlar a emoção pode significar deixar fluir a resposta impulsiva… se for isso o mais vantajoso para ti. Gerir emoções, significa conseguir extrair benefícios das tuas emoções e das tuas respostas.

Queres saber qual é o melhor truque na gestão de emoções?


Identificar os gatilhos. Se forem emoções que te prejudicam e conheceres os gatilhos, podes antecipar as situações-gatilhos e, desta forma, evitar emoções que não te trazem nada de útil. Se, por outro lado, forem emoções positivas e conheceres os seus gatilhos, podes dedicar as tuas energias a proporcionar as tais situações-gatilho.



Útil, certo? Aos poucos, vais começar a ter a tua vida orientada para aquilo que procuras realmente ter na tua realidade e isso, minha cara, é sucesso! 

Catarina L. Rodrigues