terça-feira, 27 de setembro de 2016

Carta ao Meu Ex

Como começar? Como descrever aquilo que sinto em apenas uma carta? Eu sei que provavelmente nunca vais chegar a ler esta carta e talvez por essa razão eu tenha tido coragem de a escrever.

Lembro-me que no início de tudo, mal falávamos e mal nos conhecíamos...tudo começou por um mero trabalho de português, começaste a falar comigo e eu pensei "porque não?"Afinal eras da minha turma e todas as nossas interações até ali tinham sido umas palavras aqui e ali, não era propriamente uma relação de amizade e sim de conhecidos. Mas continuando, pediste o meu número um amigo nosso e apesar de achar estranho toda esta aproximação, resolvi continuar e ver no que ia dar, quem sabe poderíamos ficar bons amigos. Continuamos a falar e a conhecermo-nos cada vez melhor, falávamos a toda a hora até altas horas da noite, foi por tua causa que cheguei a escola cansada, mas acima de tudo feliz. Feliz por ter um amigo novo e feliz por teres decidido falar comigo.

Ao longo do tempo fomos ficando cada vez mais próximos, até que a certa altura começaste a agir de maneira diferente comigo...começaste a ser querido e fofo, com comentários aqui e ali, a elogiar-me, a dizer-me que eu era fofa e linda e muitos mais. No início achei estranho, mas decidi não ligar e continuar a falar contigo. Á medida que íamos falando comecei a sentir algumas coisas diferentes. Não percebia bem o quê, mas a verdade é que as sentia, até que um dia disseste que me amavas, eu fiquei tão estupefacta que não queria acreditar, achei que estivesses a gozar comigo ou que simplesmente me amavas como amiga...


Admito que naquela altura achei que pudesse ser um pouco mais do que amiga, devido a todas as tuas ações, todas elas me levavam a crer que gostasses de mim. E parece que não estava errada, pois começamos a namorar nesse mesmo dia. Agora que penso nisso talvez namoro não fosse o melhor termo para a nossa relação, afinal nunca agimos como namorados, éramos mais amigos próximos que chamavam nomes queridos um ao outro. Ainda me lembro do dia em que me chamaste princesa pela primeira vez...Também me lembro de me dizeres que querias ter a certeza dos teus sentimentos por mim, por isso é que não agistes antes...

E agora depois deste tempo todo vens-me dizer que afinal não gostas de mim assim e que estavas confuso, não fiquei chateada a ponto de não querer falar contigo nunca mais.  Não, fiquei magoada, magoada acima de tudo.
Nunca te disse mas tive dúvidas no início, tantas dúvidas que pensei várias vezes em acabar contigo, mas não, resolvi lutar por nós, para que tudo desse certo, talvez me tenha forçado a gostar de ti, e agora que tudo acabou penso se não teria sido melhor, nunca termos namorado, mas continuado amigos. Não digo que me arrependo de alguma coisa, porque não é o caso, mas os e "ses"? Vão sempre continuar aqui.

Agora mal nos falamos e não consigo olhar para ti sem me sentir triste...também mal falas comigo e talvez isso seja culpa minha, mas por agora não consigo falar contigo. Sei que a tua intenção nunca foi ver-me triste, aliás nem querias acabar comigo por causa disso, mas foi como te disse, estares comigo por pena só iria fazer pior, acabarias por te sentir preso a uma relação e só te sentires amargurado e infeliz. Foi por isso que acabámos, porque eu nunca seria capaz de te fazer uma coisa dessas.

Lembra-te nunca deixámos de ser amigos, eu só preciso de um tempo para te esquecer afinal de tudo cheguei a gostar de ti, provavelmente não amor, mas sim um grande carinho e um gostar com "g" maiúsculo.

Espero que um dia ainda possamos voltar a ser como eramos antes, uma vez tua...

Cata

Sem comentários:

Enviar um comentário