sábado, 30 de abril de 2016

sábado, 23 de abril de 2016

Frase da Semana #1






"A vida não se trata de esperar que a tempestade passe, mas de aprender a dançar à chuva."

- Autor Desconhecido

quarta-feira, 20 de abril de 2016

TAG da Verdade



Bem, aqui vamos nós a mais uma TAG. O blog foi nomeado pela Liliana Carvalho, do blog Uma Chávena de Amor.
O título pode parecer comprometedor, mas desenganem-se, não há aqui grandes confissões. De qualquer forma, espero que gostem! 

1.Onde está o teu telemóvel?
R: Na minha secretária
2.O teu parceiro/a?
R: Não tenho
3.O Teu cabelo?
R: É super liso e castanho.
4.A tua mãe?
R: É a melhor mãe que podia ter.
5.O teu pai?
R: É fantástico e não o trocava por nada.
6.O teu objecto preferido?
R: Não tenho nenhum.
7.O teu sonho da noite passada?
R: Sonhei que estava num casamento, mas não me lembro dos pormenores.
8.A tua bebida preferida?
R: Iced Tea.
9.O carro dos teus sonhos?
R: Mini Cooper.
10.O quarto onde estás neste momento?
R: Estou no meu quarto e a cama está por fazer.
11.A/o teu/tua ex?
R: Não tenho.
12.Um medo teu?
R: Perder aqueles que amo.
13.O que desejas ser daqui a 10 anos?
R: Uma economista bem sucedida.
14.Com quem passaste a noite passada?
R: Com ninguém.
15.O que não és?
R: Má amiga, impaciente, invejosa e desonesta.
16.O que estavas a fazer antes de responderes à TAG?
R: Estava a ler.
17.O que estás a usar?
R: O computador
18.Livro preferido?
R: Orgulho e preconceito, de Jane Austen.
19.A ultima coisa que comeste?
R: Um pão.
20.A tua vida?
R: Stressante.
21.O teu humor?
R: Na maioria das vezes positivo e de uma pessoa feliz.
22.Os teus amigos?
R: Os melhores que podia ter.
23.Em que estás a pensar neste momento?
R: Nas perguntas da TAG e na música do Justin Bieber que estou a ouvir.
24.O que estás a fazer neste momento?
R: A responder a TAG e a ouvir música.
25.O teu verão?
R: Divertido.
26.O que está a dar na tua TV?
R: Não está ligada.
27.Quando sorriste pela ultima vez?
R: Há uns minutos.
28.Quando choraste pela ultima vez?
R: Há uns dias atrás.
29.Escola?
R: Stressante mas divertida.
30.O que estás a ouvir neste momento?
R: Justin Bieber –  You smile
31.Qual a tua atividade preferida ao fim de semana?
R: Ler.
32.Profissão dos teus sonhos?
R: Economista.
33.O Teu computador?
R: Velhinho mas dá para os gastos.
34.Do lado de fora da tua janela?
R: Vê-se um campo de ténis e uma bomba de gasolina.
35.Cerveja?
R: Nunca provei.
36.Comida mexicana?
R: Nunca provei, mas acho que é picante.
37.Inverno?
R: Gosto.
38.Religião?
R: Cristã.
39.Férias?
R: No Algarve com a minha família, e sair com os meus amigos.
40.Em cima da tua cama?
R: Edredon e peluches.
41.Amor?
R: Amo a minha família e os meus amigos.

Ora, aqui vão as nemeações:


Claro que eu nomear alguns blogs não invalida que outras pessoas não participem também ;)

Cata





terça-feira, 12 de abril de 2016

As 5 Principais Coisas que Aprendi com a Blogosfera

Antes que pensem que vou falar de um bicho qualquer esquisito (Oh, vá lá, digam-me que pensaram nisso!), vou explicar - vos: Apesar de não andar nisto nem há um ano (apesar de já não faltar assim tanto tempo para isso) já aprendi imenso com este blog e com o "mundo" dos blogs em geral. Por isso decidi fazer uma lista das minhas aprendizagens para incentivar aqueles que estão a pensar em criar um blog, mas ainda estão com algumas dúvidas. Então vou começar:


1. Aprendi a trabalhar em equipa


Sim, é claro que já trabalhava em equipa antes de ter um blog, mas eu sou um pouco teimosa, por isso sempre preferi trabalhar sozinha e não ter que me sujeitar ás ideias dos outros (um pouco egoísta, talvez, mas pronto, eu sou assim). Ora, quando temos um blog precisamos sempre de trabalhar com as outras bloggers, porque numa rede tão grande como é a Internet  nunca seremos ninguém se nos isolarmos. A partilha de ideias e de dúvidas é sempre importante.

2. Aprendi a ser mais organizada


Na verdade aprendi isso com o blog, mas também com a entrada no secundário. Eu sempre fui, e ainda sou, nalguns aspetos, desorganizada. Mas percebi que no secundário não posso ser assim, porque há trabalhos, testes, questões de aula e trabalhos de casa  a surgir de todos os lados.

Isto piora quando se tem um blog com postagens semanais e mensais fixas. Assim, passei a apontar tudo em agendas, bordas de cadernos diários (de vez em quando funciona), nas notas do telemóvel e a pôr alarmes a toda a hora por tudo e por nada.




3. Aprendi a ter mais paciência para rever tudo o que escrevo

Eu sou daquelas pessoas que escreve tudo o que lhe vem á cabeça em diversas situações, e isso num blog é mau porque pode causar repetições ou erros ortográficos, porque ás vezes escrevo depressa com medo de me esquecer. Sim, isso acontece, visto que eu me distraio com qualquer coisa (e agora já nem tanto, já fui trinta vezes pior).

Por essas e por outras é que tenho que rever tudo o que escrevo, embora ás vezes me falte a paciência e o tempo, sei que é necessário parar, reler tudo e verificar se fiz tudo o que devia, para ficar o melhor possível.

4. Aprendi que ser-se original não é fácil

Sabem quando vos dizem "E agora é só porem a imaginação a trabalhar"? Quando era criança adorava ouvir isto porque tinha uma imaginação muito fértil. Hoje em dia o mundo das fadas e das princesas foi arrumado numa gavetinha do meu cérebro e pôr a imaginação a funcionar não é nada simples, principalmente quando se pensa num tema  e se é influenciado pelas centenas de coisas que ouvimos dizer ou lemos sobre esse assunto. Isto porque essa influência faz com que deixemos de ser originais por não estarmos a pensar por nós.


5. Aprendi a usar HTML e CSS

Quando se tem um blog é necessário saber usar estas duas ferramentas. Ora, muitas horas (não pensem que sou viciada, simplesmente ás vezes é mesmo necessário) e carradas de tutoriais depois nasceu este layout que conhecem agora e que, não vou  mentir, ainda vai sofrer dezenas de alterações, porque eu passo a vida a dizer que falta qualquer coisa.


Maggy


sexta-feira, 8 de abril de 2016

E Se Fosse Eu?

No dia 6 de abril fomos convidados a fazer a mochila como se fôssemos fugir da guerra. Depois de ver um vídeo com depoimentos de vários refugiados, posteriormente a ter pensado na minha mochila pensei: "Eu a querer levar a casa toda atrás e eles só podiam levar uma pequena mochila  com metade do espaço que eu precisaria para tudo o que escolhi levar."

Fiquei emocionada com os vários testemunhos de crianças, mães, adolescentes, homens, que tiveram que pôr a vida numa mochila e partir rumo ao desconhecido.


Deve ser muito revoltante, principalmente quando se sabe que se está a fugir sem se ter culpa de absolutamente nada, quando se é vítima das circunstâncias. Gostava de ver os governantes dos países em guerra a fazerem a sua mochila, para sentirem aquilo que sentem os habitantes dos seus Estados. Nem que fosse por dois minutos, sentirem o que é ser refugiado e verem o que estão a fazer ao seu povo, que não pediu para entrar em guerra nenhuma.

Isto das iniciativas faz sentido, sim senhora, mas vemos muita gente que não participa nelas e que seriam os primeiros a precisar de descer do seu pedestal e ver o mundo da perpetiva dos "mais pequeninos".

Maggy

domingo, 3 de abril de 2016

Um Herói

Existem várias definições de herói. A quem considera heróis os policias e os bombeiros e todos aqueles que tem uma profissão que consiste em salvar e proteger a vida de outros, temos também aquelas pessoas que acham que os heróis são os das bandas desenhadas que sobrevivem a tudo e a todos, como o super-homem ou o homem-aranha e por último mas não menos importante temos aqueles que acreditam que os verdadeiros heróis são aqueles que sobrevivem a situações do dia-a-dia, que lutam contra o imprevisto e que ultrapassam todos os obstáculos e adversidades da vida, que nunca desistem e consegue superar as dificuldades.


Pessoalmente, acredito que todas estas versões de herói estão certas, as vezes precisamos de um pouco de surrealismo e de fantasia na nossa vida para acreditar que somos capazes de ultrapassar um certo obstáculo ou ate mesmo apenas para nos fazer acreditar que tudo é possível. Mas não podemos não dar importância a pessoas em que a sua profissão consiste em salvar a vida de outros, quer dizer ninguém e obrigado a seguir essa profissão mas acredito que se o fazem e por que tem as suas razões e preciso um grande carácter para por a vida de estranhos a nossa frente, dai que ache que ninguém devia ser menosprezado por isso que são heróis a sua maneira. E depois há também aqueles que nos são próximos ou ate não mas que nos inspiram de alguma maneira por terem tomado feito isto ou aquilo, ou por simplesmente não desistirem ao primeiro obstáculo e por lutarem ate ao fim pelo seu sonho ou apenas para conseguir ultrapassar a adversidade, por isso é como digo todos nós temos um herói dentro de nós basta apenas acreditar um pouco e ter a coragem de não nos rendermos as dificuldades e encaramos a vida de uma maneira positiva, isso vai acabar por nos tornar mais forte e por nos reforçar a nossa auto confiança.
Acredita em ti e nas tuas capacidades não deixas que ninguém te subjugue.

Cata